Voltar para Página principal
Em Séries

The Good Place e a Falsa Bondade

  • 10 de outubro de 2017
  • Por admin
  • 2 Comentários
The Good Place e a Falsa Bondade
Rating: 5.0. From 1 vote.
Please wait...

The Good Place é uma série de comédia original da Netflix protagonizada por Kristen Bell que já está em sua segunda temporada. Sua personagem, Eleanor Shellstrop, morre e é imediatamente enviada para “O Lugar Bom”, um local que é praticamente um paraíso destinado às pessoas que fizeram o bem em suas vidas na Terra. Aqueles que não o fizeram são enviados para “O Lugar Ruim”. Ocorre que, Eleanor não pertence àquele lugar e fora encaminhada por um equívoco “administrativo” do dono do local, Michael (Ted Danson) e de quem ela tenta esconder a verdade. Evitando ser expulsa, Eleanor tenta fazer boas ações para se manter, enquanto a verdadeira Eleanor está no Lugar Ruim.

Brilhante e criativamente, esta comédia tece críticas sobre o ser humano e o tão chamado sintoma social da “falsa bondade” das pessoas apenas para obter algum tipo de vantagem para si. Eleanor contamina o local com tanta negatividade que acaba desencadeando vários efeitos colaterais no Lugar Bom, cheio de tempestades, desastres climáticos que causam o caos nesse universo de tranqüilidade, descanso, paz e felicidade. Além disso, a protagonista distorce as intenções por trás das atitudes bondosas de seus vizinhos, obtém crédito pelo favor que os outros lhe prestam, reclama da falta de luxo de sua estadia, e precisa literalmente que alguém lhe ensine o que é “ética” e o que é “ser bom”. Em outras palavras, ambas são qualidades que não lhe vêm naturalmente ou de sua própria vontade. Até porque “O Lugar Bom” define bem especificadamente o que é ser “bom”, já que independentemente de distinção de raça, cor, tamanho, idade ou gênero (um excelente acerto, por sinal) as pessoas daquele local são indivíduos que contribuíram efetivamente para o bem da humanidade com trabalhos voluntários, filantrópicos ou carreiras diferenciadas voltadas para a comunidade, por exemplo.

The Good Place disponível na Netflix (Créditos: IMDb)

Se digo que é socialmente sintomático é porque Eleanor com toda a malícia do mundo não quer admitir seus erros, busca sempre a saída mais fácil e que lhe convém, o que não se distancia muito da nossa realidade. É fácil olhar para o próprio umbigo até que ser “bom” passa a ser uma “necessidade” para obter algum tipo de vantagem, como permanecer no Lugar Bom, e cujo nome aqui para evitar qualquer rotulação religiosa foi cuidadosamente pensado para se aplicar a qualquer realidade e dentro do catolicismo pode ser interpretado também como céu, enquanto O Lugar Ruim, o inferno. Portanto, é a noção de cada vez mais estamos perdendo a empatia com o nosso próximo para um individualismo exacerbado que já não tem mais razão de existir. Neste caso a metáfora das catástrofes naturais tampouco é a mera coincidência: é a energia altamente negativa de Eleanor no Lugar Bom, é distorcer os atos puros e bondosos das pessoas como atos maliciosos e egoístas sem se dar conta, no entanto, que existem atitudes altruístas por si só, sem segundas intenções. Eleanor faz, portanto, nós refletirmos até onde o ser humano pode ir em nome de si próprio, até onde o indivudual pode ser sustentado, até onde o capitalismo faz sentido para o próprio lucro, assunto este que se nota pela profissão da protagonista, qual seja, a de telemarketing que vendia remédios defeituosos para idosos doentes com o intuito expresso de enganá-los.

Por trás de tanta confusão e situações hilárias, The Good Place traz uma filosofia fantástica de forma envolvente que poucas comédias – sejam filmes ou séries – possuem a ousadia de abordar.

Méritos a Michael Schur.

Por admin, 10 de outubro de 2017
  • 2
2 Comments
  • Elaine
    31 de outubro de 2017

    No parágrafo ” Por trás de tanta confusão e situações hilárias, The Good Place trás uma filosofia fantástica de forma envolvente que poucas comédias – sejam filmes ou séries – possuem a ousadia de abordar.” há um erro e eu deixo aqui meu pedido de correção: foi escrito “trás”, onde deveria ser traz, do verbo trazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação de Segurança *

Encontre-nos no instagram

@iconedocinema