Voltar para Página principal
Em Especiais de Cinema, Notícias

Os Melhores e Piores Filmes de 2017 (1º Semestre)

  • 23 de junho de 2017
  • Por admin
  • 0 Comentários
Os Melhores e Piores Filmes de 2017 (1º Semestre)
No votes yet.
Please wait...

Já estamos na metade do ano de 2017, e para você que ainda não sabe a quais filmes assistir ou quais filmes você deverá ficar longe, não se preocupe! O Ícone do Cinema elenca seus melhores e piores filmes vistos em 2017 para ajudar na sua escolha.

Confira nossa lista e nos conte depois o que você achou! Concorda? Discorda? Também queremos saber suas opiniões e sugestões.

MELHORES FILMES

Elencar os melhores filmes é uma tarefa difícil. Cada película tem seu mérito e particularidade que se torna até injusto restringir em uma pequena lista. Porém, nossa escolha foi pautada pelo entretenimento, assim como pela qualidade cinematográfica e se a proposta foi bem desenvolvida. Aqui estão:

5) Guardiões da Galáxia vol. 2 (Nota: 4,0/5,0)

 

Guardiões da Galáxia Vol. 2


O que o “Volume 2” tem a dizer e a agregar a esse universo se resume inteiramente (no bom sentido, esclareço) nos maravilhosos créditos: a turma reunida está esperando para combater um monstro e durante a batalha já sentimos uma maior intimidade entre os personagens ao presenciar mais uma vez a dinâmica de toda equipe Rocky (Cooper), Peter Quill (Pratt), Drax (Bautista) e Gamora (Saldana) trabalhando novamente juntos, que ao mesmo tempo em que se preocupa em derrotar o inimigo, lidam (ou melhor, gritam) uns com os outros. Enquanto isso, baby Groot (Diesel – literalmente o personagem mais adorável do ano) dança e se diverte inocentemente ao som da trilha sonora oitentista que fez a marca registrada da franquia. Porque o que temos nesta continuação, essencialmente, é reforçar o espírito de amizade e família que fez juntar todos em primeiro lugar. Assim, se na primeira sequencia a prioridade era trabalhar a origem dos guardiões como um time, a segunda agora vai mais além para olharmos mais aproximadamente e estudarmos cada um de seus membros. (…) Leia a crítica completa

4) Mulher-Maravilha (Nota: 4,0/5,0)

 

Mulher-Maravilha



Mulher-Maravilha está longe de ser uma obra prefeita, mas mesmo com seus defeitos é um grande avanço e uma enorme evolução para os padrões da franquia. Só esperamos que esse progresso continue e que a DC nos presenteie com mais obras especiais como esta. Leia a crítica completa

3) Ao Cair da Noite (5,0/5,0)

Ao Cair da Noite


Ao Cair da Noite possui, acima de tudo, aquele ambiente que A Bruxa tão bem explorou, a paranóia que extraímos em momentos que não conseguimos explicar: o primeiro sendo uma doença incontrolável e o segundo já em uma abordagem mais sobrenatural, mas também inexplicável pelo viés religioso e a fé de seus personagens. Leia a crítica completa

2) Logan (4,0/5,0)

Logan


É o Wolwerine que os fãs tanto queriam ver aqui com profundidade e ternura, sem fórmulas clichês ou situações previsíveis, como costumeiramente era tratado. É uma maravilhosa homenagem que, se por um lado pode acabar uma história, por outro lado pode ser o começo de um futuro para novos X-Men. Leia a crítica completa

1) Corra! (5,0/5,0)

Corra!


Corra! é, em suma, uma das maiores surpresas do ano e confere um fôlego em meio a tantos filmes pretensiosos e medianos do mesmo gênero. É uma experiência obrigatória que nos faz repensar nas nossas próprias condutas. Leia a crítica completa

 

PIORES FILMES

Tudo nem sempre é um mar de rosas não é mesmo? Aí vai lista dos filmes que você deve evitar esse ano, pois não farão a mínima diferença em sua vida.

5) Assassin’s Creed (Nota: 2,0/5,0)

Assassin’s Creed


(…)O que seria de uma narrativa com potencial, o filme se comporta de maneira pretensiosa, assumindo seu roteiro como seu elemento mais importante. Ocorre que, ele é o centro dos problemas. A sua incoerência faz com que permaneça apenas boas intenções. Leia a crítica completa

4) O Chamado 3 (Nota: 1,0/5,0)

O Chamado 3


O Chamado 3, (…), é o resultado de um produto que negligencia seus próprios personagens, a sua própria história e, inclusive, a inteligência de seu espectador. Leia a crítica completa

3) Gostosas, Lindas e Sexies (Nota: 2,0/5,0)

Gostosas, Lindas e Sexies


De fato o filme possui uma consciência e, portanto, uma missão de abraçar todas as formas de beleza física e, assim, demonstrar como os padrões estéticos estabelecidos por convenção pela sociedade são pífios. Todavia, essa abordagem seria muito mais efetiva e sincera se as quatro protagonistas não precisassem reafirmarem o tempo todo, exaustiva e repetidamente, o fato de que são “gordinhas”, como se tivessem algo a provar para o espectador. A situação não ajuda ou, em outras palavras, não a torna mais natural, quando o preconceito em relação à  forma do corpo é transmitido por personagens extremamente caricatos que emitem frases de efeito como, por exemplo, duas colegas de trabalho de Beatriz, as quais são as reencarnações das irmãs gêmeas malvadas e invejosas de Cinderela (e isso não é um elogio). Na realidade, a constante necessidade de tirar risos do espectador com o absurdo traz outros personagens igualmente pouco próximos à realidade como uma histérica cliente no salão de Ivone ou a chefe bastante anti-ética e nada profissional (e também histérica) de Beatriz. Leia a crítica completa

2) Tinha Que Ser Ele? (Nota: 1,0/5,0)

Tinha Que Ser Ele?


O longa até pode provocar algumas risadas pontuais no espectador, mas não de forma genuína, como se pode presumir. Ao contrário, pelo imenso desconforto das cenas e das situações incrivelmente vulgares criadas. Isto porque se aposta demasiado em gags e piadas sobre sexo durante quase duas horas de projeção, sempre se referido a órgãos reprodutores e recorrendo excessivamente ao uso de palavrões e privadas para ser engraçado. A própria excentricidade de Laird é um absurdo, pois além de o personagem ser construído como um bobão, rico, que beira à burrice intelectual com suas atitudes infantis, sua mansão é repleta de quadros pornográficos de animais (?), e, ainda, temos que suportar o personagem detalhando seus atos sexuais com a namorada para o pai durante o jantar (???). Leia a crítica completa

1) Beleza Oculta (Nota: 2,0/5,0)

Beleza Oculta


Não consigo conceber até o momento qualquer justificativa para legitimar o fato de que Claire, Whit e Simon – as pessoas de maior confiança de Howard – tiveram a péssima e ridícula ideia de contratar 3 atores amadores de teatro, pagar 20 mil dólares cada para enganar um amigo que sofre de uma séria depressão e, deste modo, fazer com que ele pense que está vendo aparições de Amor, Tempo e Morte, para atingir a finalidade específica de fazer com que o protagonista seja taxado como louco. Ou seja, uma tática de “gaslighting” para que ele duvide de sua própria saúde mental e, assim, forçar a situação para ser legalmente removido do direito das ações majoritárias que ele possui. Todo o esquema é realizado, portanto, somente para que os três “amigos” possam resolver a atual crise financeira da empresa sem a sua interferência. Leia a crítica completa

Por admin, 23 de junho de 2017
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação de Segurança *

Encontre-nos no instagram

@iconedocinema