Voltar para Página principal
Em Comédia, Notícias

Dica Netflix: Ele Está de Volta (2015)

  • 28 de janeiro de 2017
  • Por Gabriella Tomasi
  • 0 Comentários
Dica Netflix: Ele Está de Volta (2015)
No votes yet.
Please wait...

É incrível acompanhar como os momentos significativos tanto politica quanto socialmente refletem nas produções artísticas, sobretudo o cinema. A mulher, o negro, o muçulmano. Pelo menos nós finalmente estamos nos dando a oportunidade de repensar e refletir a forma como as minorias foram ou ainda são tratadas, como a intolerância que mesmo nos dias de hoje persiste em existir.

Ele Está de Volta é o filme adaptado do livro homônimo de Timur Vermes em 2012. Esta incrível e maravilhosa sátira parte da jornada de Adolf Hitler, o qual é inexplicavelmente transportado para o ano de 2014 desde seus últimos momentos com vida no bunker em abril de 1945.

Dessa maneira, utilizando do humor negro, esta obra faz um dura crítica social e política dos dias atuais que, mesmo considerando a impossibilidade do cenário nazista voltar à realidade, sob o argumento de que “os erros cometidos foram aprendidos”, percebemos que sob diversas formas ele ainda se repete. Portanto, assim como o filme “A Onda” demonstrou ser plenamente possível o retorno de dias tenebrosos, o mesmo é demonstrado e criticado em Ele Está de Volta.

Em uma mistura de gêneros cinematográficos, muito bem empregados, nós temos, por exemplo, o documental, o qual mostra o ator, na pele de Hitler, entrevistando pessoas de diversas regiões da Alemanha,  as quais expressam o mesmo ódio por imigrantes e muçulmanos como naquela época em que se repudiavam os judeus. Em uma abordagem ficcional, em contrapartida, Hitler tem de lidar com as novas tecnologias, a nova sociedade (que pode em um minuto amá-lo e em outro odiá-lo) e, dessa forma, tenta restabelecer o nazismo. Já em um ponto de vista jornalístico, o personagem é transformado em ícone da comédia, uma personalidade de grande sucesso, o que faz com que a mídia brigue  com a concorrência (inclusive entre si), pois vê nele somente a oportunidade de lucros. Ao mesmo tempo, conta com a cultura da comunicação de massa atual, que cultiva a (des)informação e exposição desenfreada de opinião manipulada nos blogs, jornais, na rede de TV e no Youtube.

Extremamente engajado, não é à toa que Hitler demonstra um extremo interesse quando um cidadão comum expressa ideias radicais mas que condizem com as duas, enquanto dorme sentado de tédio quando alguém efetivamente se propõe a debater problemas econômicos de forma séria. Além disso, mesmo as piadas mais racistas têm conteúdo auto-crítico, uma reflexão por trás delas, o que faz dela uma obra muito rica, inteligente e complexa.  Portanto, a comédia, o humor negro, o gosto ácido da sátira coloca em debate assuntos importantíssimos que quase nunca são enfrentados da maneira como deveriam ser. São assuntos que passam batido e não percebidos muitas vezes.

E na outra parcela de vezes, quando alguém efetivamente enxerga o problema e tenta fazer com que outros também prestem atenção nos rumos que a história/política/cultura/sociedade toma, a reação frequente e ordinária é a pessoa ser taxada de louca, e, deste modo, é descreditada, ridiculizada por todo o resto da população, da mesma forma como acontece na trama quando uma pessoa descobre a identidade do “verdadeiro Hitler”  .

O fator metalinguístico, portanto, com a consequente mistura do que é encenação/realidade, que transita entre ficcional/fato, relativizando, portanto, toda a trama, é executado de forma brilhante para a mensagem final e mais importante do filme.

A sua beleza e a sua importância é justamente o fato de explorar o momento político e social que a Europa enfrenta, por meio desta ficção, demonstrando que mesmo décadas após a ditadura nazista, a figura impiedosa e preconceituosa de Hitler continua vivo como uma semente no coração e na alma das pessoas.

Ele Está de Volta é o filme obrigatório para os dias atuais.

er ist wieder da

Ele Está de Volta (Er Ist Wieder Da) disponível na Netflix

Por Gabriella Tomasi, 28 de janeiro de 2017 Crítica de cinema, autora do site Ícone do Cinema, colunista para o site Cabine Cultural, membro do Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema - ELVIRAS. É escritora e tradutora voluntária para a ONU.

Gabriella Tomasi

Crítica de cinema, autora do site Ícone do Cinema, colunista para o site Cabine Cultural, membro do Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema - ELVIRAS. É escritora e tradutora voluntária para a ONU.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação de Segurança *

Encontre-nos no instagram

@