Voltar para Página principal
Em Comédia

Crítica: Julho-Agosto (Juillet Août, França, 2017)

  • 13 de julho de 2017
  • Por admin
  • 0 Comentários
Crítica: Julho-Agosto (Juillet Août, França, 2017)
Rating: 2.0. From 1 vote.
Please wait...

Dirigido por Diastème. Roteirizado por Diastème e Camille Pouzol. Elenco: Luna Lou, Pascale Arbillot, Alma Jodorowsky, Patrick Chesnais, Délia Espinat Dief, Jérémie Laheurte, Lou Chauvain, Ali Marhyar, Ludivine de Chastenet, Blandine Pélissier, Thierry Godard   Arthur Choisnet, Edern Cario, Stéphane Caillar e Frédéric Andrau.

Esta comédia romântica que teve sua estréia no Festival Varilux de Cinema Francês em 2017 no Brasil faz um estudo das relações familiares a partir das experiências de duas irmãs Laura, de 14 anos e Joséphine, de 18 anos, que dividem suas férias para passar com seus pais divorciados: em julho com sua mãe, a qual acaba de receber a notícia de estar grávida do novo parceiro e; seu pai solteiro em agosto que vive um amor com uma mulher mais nova. Assim, testemunhamos um período na vida das duas jovens cheio de confusões, encontros e descobertas entre família.

O longa, em suma, possui uma premissa interessante e desenvolve bem sua narrativa na primeira metade de projeção quando as irmãs se encontram na casa da mãe e do padrasto em julho, com uma paleta de cores vivas para enaltecer o verão europeu e as desavenças que ocorrem entre os personagens, como a notícia da gravidez e como ela afeta principalmente a caçula da família; as brigas entre irmãs; as descobertas que cada uma das personagens principais acaba fazendo e as aventuras que se envolvem, ainda que as vezes se transmita de maneira quase indulgente em relação aos atos de Joséphine. O drama familiar realmente é palpável e as situações são relacionáveis com o espectador, tanto para aqueles que são pais; quanto os mais jovens.

Julho-Agosto (Créditos: Cineart Filmes)

No entanto, o filme gradualmente perde força ao tratar todos os problemas das irmãs com os pais, com resoluções fáceis e muito pouco desenvolvidas e, por conseguinte, abandona praticamente o que a trama tinha de melhor, como por exemplo, a provável aceitação de um novo irmão por Laura e a reconciliação com a mãe (que mesmo assim não fica clara sua posição ao final em relação ao assunto). Isto também se dá pela maneira como trata a segunda parte da projeção com a visita das irmãs em agosto para a casa do pai, quando o entorno familiar é deixado um pouco de lado para colocar o foco no conflito estabelecido entre Joséphine e seu amor de verão lá em julho. Dessa maneira, não somente se cria uma reviravolta pouco provável do retorno (in)conveniente do amado, mas se esquece completamente das subtramas e dos personagens ao redor disso, como o novo romance do seu pai que tem uma solução repentina com uma elipse muito mal explicada; a nova namorada e os amigos que Joséphine fez em julho tampouco são mal explorados, estes últimos taxados apenas como “bandidos”; Laura tem crises episódicas da idade, como a primeira menstruação desenvolvida brevemente e; uma “rivalidade” entre Laura e a nova namorada do pai que não é concluída.

Por outro lado, é visível que a intenção é de que os segredos que estabelecem se prestam para aproximar as duas irmãs, e para que elas se tornem cúmplices nos problemas que ocorrem na idade e como elas são específicas da fase que estão vivenciando – Laura entrando na adolescência e Joséphine na vida adulta – assim como evidenciar o lado adulto e criança de cada um dos personagens, principalmente os adultos, os quais muitas vezes possuem comportamentos infantis. No entanto, é indefensável o fato de que o roteiro se perca ao longo do caminho e deixe de aprofundar questões muito mais essenciais do que o pífio relacionamento de Joséphine, e, inclusive, com uma resolução bastante imprudente para um crime daquela magnitude.

Julho-Agosto é, portanto, um resultado incompleto desse estudo que gira em torno das relações de família, permanecendo apenas muito boas intenções.
Por admin, 13 de julho de 2017
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação de Segurança *

Sobre mim
Gabriella Tomasi
Crítica de cinema, autora do site Ícone do Cinema, colunista para o site Cabine Cultural, membro do Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema - ELVIRAS. Tradutora e revisora freelance de textos.
Advertisement
Siga-nos
Newsletter
Receba nossas Novidades
Encontre-nos no instagram

@iconedocinema