Voltar para Página principal
Em Festivais

6º Olhar de Cinema | Dia #8: Baronesa e os vencedores do festival

  • 18 de junho de 2017
  • Por admin
  • 0 Comentários
6º Olhar de Cinema | Dia #8: Baronesa e os vencedores do festival
No votes yet.
Please wait...

No oitavo e último dia do festival, o filme Baronesa foi exibido e os vencedores das categorias do festival foram premiados. Confira!

19) Baronesa é um filme dirigido pela diretora brasileira Juliana Antunes. Misturando a linguagem documental e a ficcional, acompanhamos mulheres que habitam em um bairro da periferia de Belo Horizonte e seu cotidiano para desviar e superar as tragédias da chuva e do tráfico de drogas que existe lá. É, portanto, que testemunhamos Andreia, uma moradora que quer se mudar para o bairro Baronesa, em razão de tanto perigo.

Embora sendo mais verbal do que visual em alguns momentos, e contando com alguns personagens deslocados – como Negão, encontramos um filme simplesmente arrebatador que explora maravilhosamente bem o contexto social em torno dessa comunidade e fazem os pequenos defeitos serem menores ainda: Leid, sua amiga, espera pelo marido que está na prisão e tem de dar conta de criar e sustentar quatro filhos sozinha, chocando o espectador pela forma dura e rígida com que trata e pune os erros dos pequenos; as drogas que são vistas no cotidiano de forma banal; Andreia que tenta enfrentar seus problemas financeiros trabalhando de manicure; Negão e Andreia “brincando” como uma arma, entre outros. A câmera de Antunes é poderosa e temos lindos planos em que o ambiente nos diz tudo: as atividades lúdicas com a água da chuva; o ambiente precário como o fato de que Andreia senta em um tijolo para se sentar e fazer as unhas de suas clientes, entre outros elementos que ressaltam o caráter politicamente forte do longa e são emocionantes, como também o olhar melancólico e amedrontado no rosto de Andreia isolado em um lindo plano cercado de escuridão.

Ao final, Baronesa representa não somente um filme importante e relevantíssimo atualmente, mas igualmente representa o festival em si e personifica exatamente aquele olhar engajado, crítico, pró-ativo, do qual abordamos no filme de abertura. É um belo filme que nos deixa um gosto de “quero mais” e saber o rumo que a história daquelas mulheres tomou. Porque a vida continua e a delas também.

Baronesa

 

No mesmo dia foram anunciados os vencedores do 6º Olhar de Cinema. Com uma seleção de 125 títulos, o festival internacional de Curitiba se reafirmou como uma das mais importantes vitrines do cinema independente no país.

EL MAR LA MAR recebeu o prêmio de melhor filme do festival. Dirigido por Joshua Bonnetta, J. e P. Sniadecki, o longa é um poema épico em alusão ao México, cuja relação com os Estados Unidos foi fraturada há muito tempo. Ao longo dos episódios fragmentados, filmado em uma esplêndida cor em 16mm, os realizadores transmitem a sensação de cruzar de um lugar para outro e proveem um profundo sentimento de empatia.

O prêmio especial do júri foi para 300 MILHAS, longa sírio dirigido por Orwa Al Mokdad e que trata a tragédia que a Síria está mergulhada nos últimos anos.

MEU CORPO É POLÍTICO, recebeu o prêmio de melhor longa metragem brasileiro. Dirigido por Alice Riff, o longa acompanha o cotidiano de 4 militantes LGBT em zonas periféricas de São Paulo.

Confira a lista completa dos premiados:

Competitiva Longa-metragem

 

Prêmio Olhar de Melhor Filme

EL MAR LA MAR

/ El mar la mar

Joshua Bonnetta, J. P. Sniadecki | Estados Unidos, 2017, 94’

 

Prêmio Especial do Júri

300 MILHAS

/ 300 miles

Orwa Al Mokdad | Síria, 2016, 95’

Menção Honrosa

REY

/ King

Niles Atallah | Chile, 2015, 91’

Prêmio de Contribuição Artística

MÁQUINAS

/ Machines

Rahul Jain | Índia, Alemanha, Finlândia, 2016, 75’

Menção Honrosa

NAVIOS DE TERRA

/ Land vessels

Simone Cortezão | Brasil, 2017, 70’

Prêmio do Público

FERNANDO

/ Fernando

Igor Angelkorte, Julia Ariani, Paula Vilela | Brasil, 2017, 70’

Competitiva Curta-metragem

 

Prêmio Olhar de Melhor Filme

O DISCO RESPLANEDCE

/La disco resplandece

Chema García Ibarra | Turquia, Espanha, 2016, 12’

Prêmio Olhares Brasil – Melhor longa-metragem brasileiro das mostras Competitiva, Outros Olhares e Novos Olhares

MEU CORPO É POLÍTICO

/ My body is political

Alice Riff | Brasil, 2017, 72’

Menção Honrosa

FERNANDO

/ Fernando

Igor Angelkorte, Julia Ariani, Paula Vilela | Brasil, 2017, 70’

Prêmio Olhares Brasil – Melhor curta-metragem brasileiro das mostras Competitiva e Outros Olhares

BALANÇA BRASIL

/ Shake up Brazil

Carlos Segundo | Brasil, 2017, 25’

Prêmio de Melhor Filme da mostra Novos Olhares

PARQUE TONSLER

/ Tonsler Park

Kevin Jerome Everson | Estados Unidos, 2017, 80’

Menção Honrosa

PEOPLE POWER BOMBSHELL: O DIÁRIO DE VIETNAM ROSE

/ People power bombshell: the diary of Vietnam Rose

John Torres | Filipinas, 2016, 89’

Prêmio de Melhor Filme da mostra Outros Olhares|Longa

CONVICÇÕES

/ Ubezhdeniya

Tatyana Chistova | Rússia, Polônia, 2016, 63’

Prêmio da Crítica / Abraccine

_ Melhor longa-metragem da mostra Competitiva

GRANDE GRANDE MUNDO

/ Koca Dünya

Reha Erdem | Turquia, 2016, 101’

Prêmio AVEC-PR

_ Melhor curta-metragem da mostra Mirada Paranaense

A RUA MUDA

/ Hush street

Eduardo Colgan | Brasil, 2017, 16’

 

O 6º Olhar de Cinema é uma realização da Grafo Audiovisual através de Lei de Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura, Governo Federal, é apresentado pela Petrobras e BNDES e conta com patrocínio Sanepar.

Site oficial: www.olhardecinema.com.br

Por admin, 18 de junho de 2017
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verificação de Segurança *

Encontre-nos no instagram

@iconedocinema